Geocoding Thousands of Fiscal Records

Methodological Approach for a Study on Urban Retail Trade in the Belle Époque

Introduction

In August 1902 the British newspaper The Times inserted an article announcing “The passing of the grocer” as a result of a crisis in the small retail trade that apparently had bankrupted more than 900 stores (Winstanley 1983). Across the Atlantic, Canada’s shopkeepers faced a crisis equally significant, with overabundance of shops and a lot of bankruptcies (Monod 1996). The same happened in continental European cities like Paris or Milan, in the final decades of the nineteenth century (Nord 1986; Morris 1993). Much of what happened this time was the result of an demographic growth in the cities in the nineteenth century that almost everywhere would have important consequences in the reorganization of urban space, leading to changes in their economic and social geography. Lisbon was no exception and the city’s retail trade, after a phase of growth in the 1880s, faced a crisis in the last ten years of the century (Alves 2012). This occurred while the city was transformed, witnessing an expansion into new urban areas to accommodate an increasing volume of inhabitants.

Through the analysis of the geographical distribution of Lisbon’s retail trade, between 1890 and 1910, it is possible to verify the impact of this crisis on the way small businessmen apprehended the urban space, as well as the opportunities and risks that those changes could represent to them. This is a truly collaborative study, that is grateful to 35 history students for their work and enthusiasm! It is based on a very detailed information about the localization and characteristics of every single shop in the city streets, gathered from fiscal sources in the municipal archives (around sixteenth thousand records for each of the three years, 1890, 1900 and 1910) and analyzed through the use of spatial analysis tools. This volume of information and the potential introduced by a Digital Humanities / Spatial Humanities approach, brings in methodological challenges regarding the digitization and geocoding process of several thousands of records, as well as opens new research possibilities and new research questions, namely: about the role of women in the retail trade business, since previous work based on smaller sets of data analyzed with traditional qualitative methods had misrepresented or even ignored gender issues in the retail business (Alves 2012); or about the influence of the dwelling rents in determining changes in the social space of a city in the Belle Époque, only possible by the digital analysis of a very large, temporal and geographical encompassing amount of data for all the city.

slide_2

Challenges and framework

In terms of the methodology two were the challenges we faced in two distinct stages of research, data collection and its georeferencing.

The first challenge relates to the difficulty in scanning a volume of data of this nature, only available on archive, with no available funding to carry out a project of mass digitization of the original tax records. This was associated with the fact that all sources are handwritten, drawn up by several employees, with equally different handwritings, which would make it impossible, given the current state of handwritten character recognition technology (Beatty 2010; Brumfield 2014), for an automatic or even semiautomatic data treatment.

The second challenge went through geocoding about fifty thousand addresses obtained in this documentation, using essentially the computer’s processing power. It is recognized that there are advantages and disadvantages in using several geocoding methods (Goldberg, Wilson, and Knoblock 2007; St-Hilaire et al. 2007; Zandbergen 2008). Its application to Lisbon is made difficult due to the fact that the city have gone through a deep urban morphology transformation and experienced significant changes in its street names throughout the twentieth century (Alves 2005; Oliveira and Pinho 2006). Nevertheless, it remains one of the best methods for automatic assignment of geographic coordinates. The challenge was to think of a process that could overcome the difficulties listed, without having to go through the full reconstitution of the urban network. Not least because the available sources do not made possible the recreation of all the buildings and their functional classification in a GIS environment, as was achieved in other projects (Dunae et al. 2013).

While recognizing the limitations of GIS (Boonstra 2009; Bodenhamer, Corrigan, and Harris 2010; Silveira 2014), it must be highlighted the capabilities of its spatial analysis, processing and data visualization tools, that has been particular useful in the context of urban history (Hillier 2010; DeBats and Gregory 2011; Baics 2016b). In recent years, the use of GIS for the study of cities and their retail trade (Beascoechea Gangoiti 2003; Mirás Araujo 2008; Bassols and Oyón Bañales 2010; Novak and Gilliland 2011; Baics 2016a) has enhanced the theoretical framework and the possibility of international comparative studies, which represented a definitive stimulus to the application of these methodologies to this case study.

slide_5

Collecting the data

The solution for the first challenge followed a close approach to crowdsourcing projects (Brumfield 2014; Causer and Terras 2014), using shared databases and collaborative work, a method already developed with excellent results in previous studies about literature and the evolution of urban space (Alves and Queiroz 2013). However, it is known that the use of crowdsourcing can be a lengthy process and not always easy to check on the quality of final results. Furthermore, it requires easier access to sources through digital copies because not all potential participants have availability or even competence for archive work. Finally it require an understanding of the historical context of the sources, in order to better transcribe them. In our case, the sources correspond to thick volumes of bound sheets, deposited in a municipal archive without major conditions for local consultation. There was also the problem of the quality of the data, given that we are talking about handwritten information sometimes difficult to read. In this sense, the use of a collaborative work, through volunteer history students with availability and sensitivity to archival work and knowledge of the historical context of the retail trade was decisive.

This data collection was made with a PostgreSQL database, shared with all students through ODBC, so that all data collected by one of the students become available for subsequent use by others. This process, already tested in other project with very good results (Alves and Queiroz 2015), saved up a lot of time in data collection and redundancies were avoided, because a new address or a new commercial activity detected by one of the students in the sources once registered in the database, was automatically available and could be used / selected by all the others. Even if the original record contained an error, because it was registered only once in the database (since the data model prevented duplicates) the validation task was also facilitated.

slide_7

Building the map and geocoding the data

The option for the second challenge went through the reconstruction of the existing streets network of the time, based on geo-referenced digital cartography and city directories. Thus an addresses’ database was created and, with slight adaptations on the geocoding algorithm of the GIS platform used, allowed for a success rate of around 90%.

The first and greatest of all the problems is related to the urban changes that the city has undergone over the last 120 years. On the one hand, strong population growth led to the expansion or changes in the corresponding urban area, even If we take into account just the three years analyzed. The city of 1890 is very different from the one in 1910, in the layout of the streets, in the expansion into new areas, construction or renovation of its buildings. On the other hand, Lisbon had the particularity to overcome, between 1890 and the present, four very different political regimes that have left a peculiar and deeply transformative mark in the city’s toponymy. Even if the urban area was stable, only the change of street names over more than a century of profound political changes, would pose great challenges to an automated geocoding process.

For this there was first the need to rebuild the streets network of the time, trying to recreate the map of Lisbon of the Belle Epoque. This map was fixed for 1890 and then it was possible to apply the normal geocoding techniques, adapting either the collected data source, or the software algorithm used, in order to overcome difficulties so small, but so significant in the final results, such as the fact that the software was incapable to deal with some Portuguese names and characters or to recognize certain types of streets that were used at the time but ignored or underused today. Or the fact that the names of some streets are identical or very similar in different areas of the city. This was an iterative process of trial and error so as to refine the best model data that maximizes the results obtained.

However, there was still the issue of street names changing over time. For the period in question this problem is not very complicated, since only at the end of 1910 took place the first regime change, the Republican Revolution, with the consequent wave of place names changes. But there was specific changes in some street names, and new streets were open in the city landscape almost every year. These changes were incorporated in the database, maintaining the address structure already geocoded for 1890, allowing to incorporate the data for the same streets that appeared in the sources with different names.

As for the quality or accuracy of geocoding, it is obvious that the ideal would be to have the possibility to rebuild not only the network of city streets, but also the actual location of the various housing / trade blocs. Unfortunately no sources for this level of detail are available, similar to the maps of fire insurance plans available for some north American cities (Novak and Gilliland 2011; Dunae et al. 2013). In the original shapefile map, which represented the city streets in 2012, the streets have information about existing building numbers in each block. Since we have no way of saying, at this stage of the research, how many buildings or doors existed on every block in 1890, it was decided to distribute all points along the entire length of the street, according to the geocoding algorithm. Obviously, this option can cause some significant deviation in less consolidated urban areas of the city, but it is also true that the areas where the overwhelming majority of small businesses traditionally where implemented account for already established streets from the end of the 18th century. So that problem here is much lower, and the geocoding accuracy is much higher.

The reconstruction of the 1890 street map, base of all subsequent work, was made through a current map in shapefile format, provided by the Municipality. This map was superimposed on a digital copy of an old city map properly georeferenced. The mere overlap of the two maps identified a broad set of streets that did not exist at the time (eliminated from the shapefile) and others that changed their layout (fixed in the shapefile). Using city directories, namely one very complete for 1890 mentioning the name, location and building numbers of all city’s streets, it was possible to correct the shapefile street names that had gone through changes over these 120 years. The link between this corrected shapefile and the shops’ addresses collected in the shared database allowed for geocoding, with minor adjustments to the software algorithm, namely, modifying the “.cls” files that contain information about the classes and types of addresses.

slide_16

Results and reuse of the methodology

Overcoming these issues, it was possible to get a far more dynamic source, more accessible and manageable, able to respond quickly to old research questions or to introduce new perspectives about Lisbon and its retail trade in the Belle Époque. Just to mention one possibility, in the Lisbon municipal archive there are many available data that could be crossed with the information collected on shops and shopkeepers. In particular, it has data on electoral census and elections, with voters lists organized by parishes and addresses, for several years of the nineteenth and twentieth century and this data can also be mapped and analyzed using the methodology now developed. The same can happen with data on primary education, for example, because this fund has information on the addresses of the students also. Given that the addresses of the shops are being collected in a separate table and that it allows to be connected to either the GIS or to other tables with different data, whether on small businesses, on elections or on education, the use of this methodology will allow for results in other projects or to add new information relevant to the history of the city without the need to start everything from scratch.

slide_19

References

Alves, Daniel. 2005. ‘Using a GIS to Reconstruct the Nineteenth Century Lisbon Parishes’. In Humanities, Computers and Cultural Heritage. Proceedings of the XVIth International Conference of the Association for History and Computing, 12–17. Amsterdam: Royal Netherlands Academy of Arts and Sciences.

———. 2012. A República atrás do balcão: os Lojistas de Lisboa e o fim da Monarquia (1870-1910). Chamusca: Edições Cosmos.

Alves, Daniel, and Ana Isabel Queiroz. 2013. ‘Studying Urban Space and Literary Representations Using GIS: Lisbon, Portugal, 1852-2009’. Social Science History 37 (4): 457–81. doi:10.1215/01455532-2346861.

———. 2015. ‘Exploring Literary Landscapes: From Texts to Spatiotemporal Analysis through Collaborative Work and GIS’. International Journal of Humanities and Arts Computing 9 (1): 57–73. doi:10.3366/ijhac.2015.0138.

Baics, Gergely. 2016a. Feeding Gotham: The Political Economy and Geography of Food in New York, 1790–1860. Princeton: Princeton University Press.

———. 2016b. ‘Mapping as Process: Food Access in Nineteenth-Century New York’. Global Urban History. May 17. https://globalurbanhistory.com/2016/05/17/mapping-as-process-food-access-in-nineteenth-century-new-york/.

Bassols, Manuel Guàrdia, and José Luis Oyón Bañales. 2010. ‘Retailing and Proximity in a Liveable City: The Case of Barcelona Public Markets System’. In REAL CORP 2010: CITIES FOR EVERYONE. Liveable, Healthy, Prosperous, 619–28. Vienna.

Beascoechea Gangoiti, José María. 2003. ‘Jerarquización social del espacio urbano en el Bilbao de la industrialización’. Scripta Nova VII (142): 1–19.

Beatty, Joshua. 2010. ‘Historical Documents in a Digital Library: OCR, Metadata, and Crowdsourcing’. Lemonade & Information. https://lemonadeandinformation.wordpress.com/2010/05/28/historical-documents-in-a-digital-library-ocr-metadata-and-crowdsourcing/.

Bodenhamer, David J., John Corrigan, and Trevor M. Harris, eds. 2010. The Spatial Humanities: GIS and the Future of Humanities Scholarship. Bloomington: Indiana University Press.

Boonstra, Onno. 2009. ‘Barriers between Historical GIS and Historical Scholarship’. International Journal of Humanities and Arts Computing 3 (1–2): 3–7.

Brumfield, Ben W. 2014. ‘Collaborative Digitization at ALA 2014’. Collaborative Manuscript Transcription. http://manuscripttranscription.blogspot.pt/2014/07/collaborative-digitization-at-ala-2014.html.

Causer, Tim, and Melissa Terras. 2014. ‘Crowdsourcing Bentham: Beyond the Traditional Boundaries of Academic History’. International Journal of Humanities and Arts Computing 8 (1): 46–64. doi:10.3366/ijhac.2014.0119.

DeBats, Donald A., and Ian N. Gregory. 2011. ‘Introduction to Historical GIS and the Study of Urban History’. Social Science History 35 (4): 455–63.

Dunae, Patrick A., Donald J. Lafreniere, Jason A. Gilliland, and John S. Lutz. 2013. ‘Dwelling Places and Social Spaces: Revealing the Environments of Urban Workers in Victoria Using Historical GIS’. Labour / Le Travail 72: 37–73.

Goldberg, Daniel W., John P. Wilson, and Craig A. Knoblock. 2007. ‘From Text to Geographic Coordinates: The Current State of Geocoding’. URISA Journal 19 (1): 33–46.

Hillier, Amy. 2010. ‘Invitation to Mapping: How GIS Can Facilitate New Discoveries in Urban and Planning History’. Journal of Planning History 9 (2): 122–34.

Mirás Araujo, Jesús. 2008. ‘The Commercial Sector in an Early-Twentieth Century Spanish City, La Coruña 1914-1935’. Journal of Urban History 34 (3): 458–83.

Monod, David. 1996. Store Wars: Shopkeepers and the Culture of Mass Marketing, 1890-1939. Toronto: University of Toronto Press.

Morris, Jonathan. 1993. The Political Economy of Shopkeeping in Milan, 1886-1922. Cambridge: Cambridge University Press.

Nord, Philip G. 1986. Paris Shopkeepers and the Politics of Resentment. Princeton: Princeton University Press.

Novak, Mathew J., and Jason A. Gilliland. 2011. ‘Trading Places: A Historical Geography of Retailing in London, Canada’. Social Science History 35 (4): 543–70.

Oliveira, Vítor, and Paulo Pinho. 2006. ‘Study of Urban Form in Portugal: A Comparative Analysis of the Cities of Lisbon and Oporto’. Urban Design International 11 (3): 187–201.

Silveira, Luís Espinha da. 2014. ‘Geographic Information Systems and Historical Research: An Appraisal’. International Journal of Humanities and Arts Computing 8 (1): 28–45.

St-Hilaire, Marc, Byron Moldofsky, Laurent Richard, and Mariange Beaudry. 2007. ‘Geocoding and Mapping Historical Census Data: The Geographical Component of the Canadian Century Research Infrastructure.’ Historical Methods 40 (2): 76–91. doi:Article.

Winstanley, Michael J. 1983. The Shopkeeper’s World, 1830-1914. Manchester: Manchester University Press.

Zandbergen, Paul A. 2008. ‘A Comparison of Address Point, Parcel and Street Geocoding Techniques’. Computers, Environment and Urban Systems 32 (3): 214–232.

Um arquivo digital online pode ser uma caixa negra, ou não!

As fontes históricas disponíveis na Internet são cada vez mais e por vezes um arquivo digital novo pode trazer informação e usos inesperados. Foi o que aconteceu esta semana. Numa pesquisa sobre um tema em nada relacionado, dei com este arquivo digital (http://mmi.t-t.pt/) que me parece uma pequena pérola. É sobre as campanhas de pesca do bacalhau, tendo informação de cerca de 20 mil fichas de homens que se inscreveram no Grémio dos Armadores de Navios da Pesca do Bacalhau, entre 1929 e 1976. Tem também dados sobre os navios e as campanhas de pesca. Depois de uma breve pesquisa e vendo o tipo de informação disponibilizada, para além de outros aproveitamentos, apeteceu-me logo fazer um mapa! O projecto foi coordenado por Álvaro Garrido, da Universidade de Coimbra. Parece ser algo muito “fresco”, de 2016.

Mas porquê um “mapa”? Que uso pode isso ter? Normalmente este tipo de arquivos são pensados como repositórios finais de um projecto de investigação que já decorreu, já realizou as suas análises, obteve os seus resultados e publicou-os em livro ou artigos. É este o destino de grande parte dos projectos financiados pela FCT ou outras entidades. Quando é assim, quando o “site” é pensado apenas como uma montra do esforço de investigação e recolha de dados levada a cabo, por vezes, durante vários anos, normalmente o resultado final é pobre. Não me entendam mal, este site em particular, e muitos outros, é excelente e tornar público, pesquisável e reutilizável a informação de base, a “big data” em “open access”, como agora se diz é só por si de louvar e um resultado académico em si mesmo de valorizar. Contudo, por vezes, essas três premissas de que falei, publicar, pesquisar e reutilizar, nem sempre estão presentes, pois apesar de estarem públicos, na Internet, os dados nem sempre estão pesquisáveis e menos vezes ainda são possíveis de reutilização.

É aqui que entram os mapas e este site em particular. A forma como está organizado permite uma pesquisa simples sobre os conteúdos ou uma navegação relativamente simples e bem estruturada pelas diversas secções e dados específicos. Contudo, há outro aspecto que se deve destacar, que está presente neste site, embora muito provavelmente não de forma consciente por quem o pensou e estruturou: a facilidade de descarregar os dados do site em grandes volumes ou mesmo na sua totalidade e num formato que seja passível de reutilização. As questões de investigação, as problemáticas levantadas por quem utilizou esta informação inicialmente podem e devem ser expandidas com outros contributos, novas questões, novas perspectivas. Para isso, é necessário ter acesso aos dados. Será essa, na minha perspectiva, a principal justificação e mais-valia de produzir e colocar online um arquivo como este. Possibilitar que outros possam colocar outras questões, tratar os dados de outro modo.

Se é certo que não consegui encontrar no site um link para fazer o download dos dados, integral ou em parte, também é certo que esses mesmos dados não estão totalmente fechados atrás de uma estrutura de base de dados, uma caixa negra de difícil acesso. Acedendo ao código base de cada uma das páginas disponibilizadas no directório (o site tem essa funcionalidade, a que normalmente acedemos através do menu do botão do lado direito do rato, bloqueada), usando a função “Developer” do menu do navegador Firefox, é possível verificar que a estrutura do site e dos dados é relativamente simples e, mais do que isso, sempre consistente. Isto quer dizer que com um bocado de paciência, mesmo não existindo um link de download, é possível aceder aos dados, descarregá-los e usá-los, por exemplo, para fazer uma cartografia dos homens que participaram na pesca do bacalhau (algo que ficou a faltar no site original e que daria uma outra perspectiva sobre os dados).

Deixo aqui algumas pistas para o fazer. Não se trata de pirataria, de nos transformarmos em “hackers”, mas sim de aproveitar ferramentas e pequenos truques para aceder de forma mais intuitiva e fácil a conteúdos que estão no domínio público (sim, sou defensor da ideia de que se algo está acessível na Internet é do domínio público e logo pode ser usado por todos, desde que com fins legais e desde que garantida e reconhecida a autoria dos dados de origem, como procurei fazer logo no início deste texto). O objectivo, como referi, era fazer um mapa que pudesse dar algumas pistas extra para uma análise dos dados disponibilizados “em bruto” no site. Obviamente, podia sempre ir procurar os livros e artigos do colega Álvaro Garrido, em particular o que diz respeito à pesca do bacalhau no Estado Novo, e obter essa informação. Mas posso também partir dos dados e através da sua georreferenciação (da atribuição de coordenadas geográficas aos endereços ou outras informações de localização presentes nos dados) procurar perspectivas novas, um olhar novo.

Para isso recorri a alguns conhecimentos que obtive através de um site que recomendo a todos os que quiserem usar as linguagens de programação informática para o uso da investigação em História: o The Programming Historian. Online desde 2012, nesse mesmo ano começou a disponibilizar um manual de Python, uma linguagem de programação que permite fazer algumas “maravilhas” com a informação disponível online e não só. Como é frequente nestas coisas, rapidamente me entusiasmei e quando dei por mim estava a “testar” os meus conhecimentos no site dos Debates Parlamentares (que entretanto mudou a sua estrutura e complicou a vida a quem já tinha uma ferramenta de pesquisa e “leitura” dos debates feita em Python!!!).

Depois de olhar com atenção para o código da página do Museu Marítimo de Ílhavo e recorrendo aos meus escassos conhecimentos de Python, bem como às sempre úteis respostas a dúvidas disponibilizadas no site Stack Overflow (ajuda preciosa para quem, como eu, não percebe nada de programação, mas finge que sim!), foi possível fazer um mapa com os dados do site “Homens e Navios do Bacalhau”. Fiz o download apenas dos primeiros 200 registos, para testar e poder apresentar o potencial da reutilização destes dados na Internet. Depois de descarregados, os dados, em formato texto e estruturados em linhas, com as colunas separadas por ponto e vírgula, foram importados pelo Excel, onde foi possível fazer agregações e selecções. Desses 200 registos de homens que tinham participado nas campanhas do bacalhau, existia informação sobre o local de nascimento para 174 (87%). Foram esses que usei para fazer o mapa.

Foi possível identificar 173 localizações (99,4%) usando o BatchGeo (um site que produz mapas a partir de tabelas com informação geográfica). Feitas algumas configurações básicas e escolhido o mapa de base, o resultado está disponível online. Os pinos no mapa representam o local de nascimento dos homens. A cor de cada pino representa o porto onde o homem obteve a cédula que lhe permitia fazer-se ao mar. Nesta amostra, é possível ver que mais de 2/3 dos homens que andavam na pesca do bacalhau eram de Ílhavo (67,8%), conclusão se calhar natural, tendo em conta a origem do arquivo e a escassa dimensão da amostra, num total de 20920 fichas de pescadores disponibilizadas. Já mais interessante foi perceber que também a esmagadora maioria dos indivíduos obtinha a cédula que lhes permitia exercer a actividade num porto perto ou mesmo na própria localidade onde tinham nascido. De referir igualmente, embora isso não seja visível com o mapa, que nesta amostra, pelo menos, a idade média de acesso à cédula, ou seja de início de uma vida como profissional das pescas, era muito baixa, rondado os 13/14 anos (não tratei estes dados, são apenas impressões de uma passagem de olhos).

mapa_bacalhau

Do resultado obtido, com pouco esforço e tempo investido, é possível dizer duas ou três coisas no final. Primeiro, é necessário esclarecer que a minha área de investigação não são as pescas e muito menos no Estado Novo. Contudo, a experiência serviu para demonstrar, numa perspectiva prática, de aplicação concreta, o que são e podem valer as Humanidades na sua versão Digital e isso sim já é algo que me interessa. Segundo, os dados obtidos não são fiáveis, não só por a amostra ser muito baixa, como também porque foram obtidos sem qualquer controlo de qualidade, sem a necessária crítica às fontes e aos métodos usados que seria obrigatória numa utilização mais centrada na produção de conhecimento histórico. Só como exemplo, uma rápida pesquisa pelo mapa permitirá detectar uma meia dúzia de localizações provavelmente erradas. Problema de se fazer uma utilização acrítica de algoritmos informáticos que não dominamos por completo, como é o caso do BatchGeo, e chamada de atenção para o necessário envolvimento do historiador não só na elaboração das questões historiográficas, mas igualmente no domínio dos métodos e metodologias empregues para lhes dar resposta, sejam esses métodos digitais ou não (esta foi mais para os meus alunos a quem vou “pedir” que leiam o blogue!!!). Por fim, procurei com este exemplo e com as indicações que aqui deixei, contribuir com um manual, com falhas certamente, para o aproveitamento ou reaproveitamento do muito que por essa Internet fora abunda de fontes e arquivos históricos que podem ser bem mais do que meras montras ou repositórios de informação. Se está em formato digital, é possível transformar, manipular, reescrever no sentido positivo que esses termos devem ter, o de criar novo conhecimento.

Oradores convidados e CFP em inglês

Novidades sobre o Congresso de Humanidades Digitais em Portugal: já disponível a CFP em inglês (https://t.co/GEASXm1nJh) e em português (https://t.co/v3UZe8PmLb). Podemos também anunciar os oradores convidados:
– Maria Clara Paixão de Sousa (http://mariaclarapaixaodesousa.wordpress.com/), Professora de Filologia e Língua Portuguesa na Universidade de São Paulo (http://dlcv.fflch.usp.br/maria_clara_paixao)
– Dan Cohen (http://www.dancohen.org/cv/), Director Executivo da Digital Public Library of America (http://dp.la/)

Archived Web, what’s the problem?

RESAWArchived Web, what’s the problem? Web archives, digital research infrastructure, and the development of a nation’s web

Organization:
IHC – Digital Humanities and Historical Research and Project ROSSIO
FCCN – Arquivo da Web Portuguesa

Speaker:
Niels Brügger (Aarhus University, the Centre for Internet Studies, and NetLab) – CV

Abstract:
This presentation will introduce some of the basic characteristics of archived web, compared to digital collections and with this as a stepping stone some of the consequences for the scholarly use of archived web are debated. Then follows a brief introduction to the Danish national research infrastructure for internet studies, NetLab, as well as to the European network of RESAW (http://resaw.eu/), an acronym for ‘A Research infrastructure for the Study of Archived Web materials’, which is a collaboration between leading European web archives, including the Portuguese Web Archive, and research communities studying the archives. Finally, a newly started research project is briefly introduced, namely ‘Probing a Nation’s Web Domain: the Development of the Danish Web 2005-2015’

Place and time:
FCSH-UNL, Av. de Berna 26-C, room 606 (6th floor Tower B)
November 11, 2014; 11 am

IHC FCSH

AWP FCT

Congresso de Humanidades Digitais em Portugal

Call for papers

Título: Congresso de Humanidades Digitais em Portugal: construir pontes e quebrar barreiras na era digital

Apresentação: Debater o papel das Humanidades na academia e na sociedade é uma tendência de longa data. A confluência deste debate com o das transformações trazidas pela tecnologia digital também não é recente: não se pode falar de “novas tecnologias” para as Humanidades quando muitos investigadores recorrem ao digital há pelo menos quatro décadas, em disciplinas tão diversas como a Linguística, a História ou os Estudos Literários. Contudo, o impacto do recente discurso ligado às Digital Humanities tem levado a desenvolvimentos interessantes na investigação em Humanidades. Com efeito, têm-se dinamizado as redes entre investigadores de uma forma nunca antes vista, têm-se construído pontes entre as Humanidades e outras Ciências, têm-se quebrado barreiras disciplinares no seio das próprias Humanidades. O Congresso de Humanidades Digitais em Portugal pretende precisamente estimular essas intersecções, abrindo um fórum de partilha e discussão de resultados de investigação ou de projectos ainda em curso neste campo de conhecimento.

Temas gerais do Congresso: Sem prejuízo de outros temas que possam surgir mais tarde, o Congresso de Humanidades Digitais em Portugal convida os interessados a enviar propostas de comunicação ou cartaz que demonstrem ou discutam as potencialidades das Humanidades Digitais para a interdisciplinaridade dentro das Humanidades e com outras áreas de conhecimento, bem como para a produção de um conhecimento mais acessível e aberto. As comunicações serão organizadas em seis blocos temáticos:

  • Espaço: Exploração de dados georeferenciados nas Humanidades

  • Corpora: Recolha, anotação e pesquisa de grandes volumes de informação textual

  • Mundos virtuais: Recriação e exploração de ambientes humanos presentes e passados

  • Edição e preservação digital: Edições críticas electrónicas e preservação do património

  • Visualização: Construção de interpretações visuais de dados nas Humanidades

  • Ferramentas: Apresentação e discussão de software aplicado às Humanidades

Comissão Organizadora:

Daniel Alves, IHC e FCSH, Universidade Nova de Lisboa

Rita Marquilhas, CLUL, Universidade de Lisboa

Manuel Portela, CLP,  Universidade de Coimbra

Dália Guerreiro, CIDEHUS, Universidade de Évora

 

Comissão Científica:

Amélia Polónia, Universidade do Porto

Daniel Gomes, Fundação para a Computação Científica Nacional

Helena Barbas, Universidade Nova de Lisboa

José Luís Borbinha, Instituto Superior Técnico

Luís Espinha da Silveira, Universidade Nova de Lisboa

Manuela Martins, Universidade do Minho

Maria Isabel Rocha Roque, Universidade Europeia

Maria Manuel Borges, Universidade de Coimbra

Pedro Rangel Henriques, Universidade do Minho

 

Chamada para comunicações: A Comissão Organizadora apela ao envio de propostas de comunicação (15 minutos) ou cartazes ao Congresso de Humanidades Digitais em Portugal, a ter lugar na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, nos dias 8 e 9 de Outubro de 2015. As propostas devem ser registadas até ao dia 15 de Março de 2015, através da plataforma EasyChair (https://easychair.org/conferences/?conf=hdpt2015). Depois de efectuar o registo na plataforma como “Autor”, os proponentes devem registar o seu nome, contactos e filiação institucional, bem como o título, resumo (máx. 500 palavras) e palavras-chave (máx. 5) da sua comunicação. Todas as propostas passarão por um sistema de blind peer review, sendo os resultados dessa avaliação enviados para os proponentes até ao dia 15 de Maio de 2015. As comunicações e cartazes devem ser apresentados em português ou inglês. Está prevista a publicação de um conjunto seleccionado de comunicações numa revista científica com peer review no Verão de 2016. A Comissão Organizadora pode ser contactada através do endereço  congressohdpt@gmail.com

 

Inscrições:

– Inscrição com comunicação ou cartaz até 30 de Maio de 2015 (40€)

– Inscrição geral até 31 de Julho de 2015 (40€)

– Inscrição estudantes até 31 de Julho de 2015 (10€)

– Inscrição geral depois de 31 de Julho de 2015 (70€)

– Inscrição estudantes depois de 31 de Julho de 2015 (20€)

Brevemente serão disponibilizadas mais informações sobre as inscrições e o modo de pagamento.

 

Mais informações:

Página do Congresso: http://congressohdpt.wordpress.com/

Facebook: https://www.facebook.com/congressohdpt

Twitter: https://twitter.com/CongressoHDPT   —   #HDPT2015

Google+: https://plus.google.com/u/5/104055586971171341437/

Email: congressoHDPT@gmail.com

 

Apoios:

LOGO HEADER

Instituto de História Contemporânea, Universidade Nova de Lisboa (http://ihc.fcsh.unl.pt/)

http://www.clul.ul.pt/news/CLULtalks/logo_clul_impressao.gif

Centro de Linguística da Universidade de Lisboa (http://www.clul.ul.pt/)

Centro de Literatura Portuguesa, Universidade de Coimbra (http://www.uc.pt/fluc/clp/)

http://www.ammaia.pt/multimedia/imagens/cidehus.png

Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora (http://www.cidehus.uevora.pt/)

Associação das Humanidades Digitais (http://ahdig.org/)

Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Dia das Humanidades Digitais 2014

Tal como no ano passado e tendo em conta que a experiência correu muito bem (com direito a comunicação em congresso e tudo: http://dharchive.org/paper/DH2014/Paper-832.xml), este ano voltámos a reunir com colegas espanhóis, brasileiros, mexicanos, argentinos e outros falantes de espanhol e português para realizar mais um “Dia das Humanidades Digitais”. Para além da experiência em publicação digital colectiva, o evento é uma oportunidade de divulgarmos o nosso trabalho (tenha ele uma componente digital maior ou menor), gerar novos contactos e criar redes num campo de investigação que tem tido cada vez mais visibilidade nos últimos anos.
Venho por isso convidar-vos a participar no e/ou a divulgar o “Dia das Humanidades Digitais 2014”. O modo de participação está explicado no site. O dia escolhido é o 15 de Outubro.
Aqui está o endereço, na sua versão portuguesa (o texto de apresentação ainda está em espanhol, mas a caminho de ser traduzido): http://diahd2014.filos.unam.mx/pt-pt/
Divulguem, partilhem e participem!

A Internet para os historiadores

A seguir apresento uma listagem de links meramente indicativa e até estatisticamente pouco representativa sobre o que a Internet pode disponibilizar para o historiador ou para o estudante de História. Constituem um ponto de partida tão bom como outro qualquer, nunca devem ser considerados como um ponto de chegada, pois a Internet tem muito mais para oferecer. Basta estar atento e não descurar ou menosprezar a via digital da História, tão válida como a via tradicional. Diga-se ainda que é uma listagem aberta a sugestões e que a ordem de apresentação dos links é um pouco aleatória, não pretendendo indicar qualquer hierarquia qualitativa ou de preferência. Talvez quando o número de links for mais significativo (quando tiver tempo e paciência para passar para aqui os meus “favoritos”, por exemplo) pense numa ordem alfabética!

Arquivos
Direcção-Geral de Arquivos http://www.dgarq.gov.pt/
Assembleia da República http://debates.parlamento.pt
National Archives (Reino Unido)http://www.nationalarchives.gov.uk/
National Archives (EUA) http://www.archives.gov/

Enciclopédias
Encyclopædia Britannica http://www.britannica.com/
Encarta, Microsoft http://encarta.msn.com/
Wikipédia http://www.wikipedia.org/

Artigos e revistas
Directory of Open Access Journals http://www.doaj.org/
B-On http://www.b-on.pt/
ISI Web of Knowledge http://www.isiknowledge.com/
Persee. Portail de revues en sciences humaines et socialeshttp://www.persee.fr/
Revues.org http://www.revues.org/
JSTOR – Journal Storage http://www.jstor.org/

Portais temáticos
Best of History Web Sites http://www.besthistorysites.net/
Early Modern Resources http://www.earlymodernweb.org.uk/emr/
EH.Net Economic History Services http://eh.net/
History On-Line http://www.history.ac.uk/search/welcome.html
HNet: Humanities and Social Sciences Online http://www.h-net.org/

Bibliotecas e museus
Biblioteca Nacional http://www.bn.pt/ e http://purl.pt
British Library http://www.bl.uk/
Library of Congress http://www.loc.gov/
Bibliothèque nationale de France http://www.bnf.fr/ ehttp://gallica.bnf.fr/
Instituto dos Museus e da Conservação http://www.ipmuseus.pt/
Louvre http://www.louvre.fr/
The Metropolitan Museum of Art http://www.metmuseum.org/
State Hermitage Museum http://www.hermitagemuseum.org

Bibliografias e índices
Royal Historic Society Bibliographyhttp://www.rhs.ac.uk/bibl/bibwel.asp
ViVa: A Bibliography of Women’s Historyhttp://www.iisg.nl/~womhist/vivahome.php

Organizações e associações
A:P:H – Associação de Professores de História http://www.aph.pt/
APHES – Associação Portuguesa de História Económica e Socialhttp://www.aphes.pt/
Euroclio – Conferência Europeia de Associações de Professores de História http://www.euroclio.eu/
The Historical Association http://www.history.org.uk/
The American Historical Association http://www.historians.org/
American Association for History and Computing http://theaahc.org/

Centros e institutos de investigação
Centro de História de Além-Mar http://cham.fcsh.unl.pt/
Instituto de História Contemporânea http://ihc.fcsh.unl.pt/
Instituto de Estudos Medievais http://www.fcsh.unl.pt/iem/
Institute of Historical Research http://www.history.ac.uk/

Projectos de investigação
Projecto arqueológico «Médio Eufrates Sírio»http://www.arqueologiaoriente.com/
Ius Lusitaniae. Fontes Históricas do Direito Portuguêshttp://www.iuslusitaniae.fcsh.unl.pt/
Atlas. Cartografia Histórica http://www.fcsh.unl.pt/atlas
Memórias Paroquiais de 1758 http://www.fcsh.unl.pt/memorias
Materiais para a história eleitoral e parlamentar portuguesahttp://purl.pt/5854/1/
Theban Mapping Project http://www.thebanmappingproject.com/

Repositórios e publicações digitais
RepositóriUM (Universidade do Minho)https://repositorium.sdum.uminho.pt/
MatrizPix http://www.matrizpix.imc-ip.pt/matrizpix/
American Council of Learned Societies – Humanities E-Bookhttp://www.humanitiesebook.org/
Database of EUI publications http://cadmus.eui.eu/dspace/
Eliohs – Electronic Library of Historiographyhttp://www.eliohs.unifi.it/indexbib.html
EOD: E-books On Demand http://books2ebooks.eu/?lang=pt
eScholarship Editions http://www.escholarship.org/editions/
Repositories of primary sources http://uidaho.edu/special-collections/Other.Repositories.html
Gutenberg-e http://www.gutenberg-e.org/
Project Gutenberg http://www.gutenberg.org/
Historical Voices http://www.historicalvoices.org/
Perseus Digital Library http://www.perseus.tufts.edu/hopper/

Digital Humanities and History

The blog’s main objective is to contribute to the strengthening of a bridge between digital enthusiasts and digital skeptics in the History academic milieu. The point here will be not to convince History students, researchers and teachers of the supposed marvels of a also supposed digital revolution, but to resort to concrete examples of research and discussion of results, tools and methods to increase the flow on this bridge that still divides historians from Information Technology. The assumption is that this flow will bring more advantages than disadvantages to historical knowledge and to history’s professional practitioners.

Doing History in the Digital World

No ano em que foi formalizada a criação da linha temática de investigação do IHC “Humanidades Digitais e Investigação Histórica”, a coincidência de ver publicado um número especial da revista IJHAC com resultados de um workshop organizado na FCSH em 2011!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fundação da Associação das Humanidades Digitais

No passado mês de Outubro estive na Universidade de São Paulo, a convite do Grupo de Humanidades Digitais daquela universidade, dinamizado pela Maria Clara Paixão de Sousa. O objectivo foi a participação no I Seminário de Humanidades Digitais do Brasil, que contou com a presença de investigadores de várias disciplinas das Humanidades, do Brasil, Portugal e de outros países. As apresentaçõese discussões foram muito interessantes, abordando temas tão variados como o Open Access, as bibliotecas digitais, a investigação em Linguística, História e outras disciplinas com recurso a métodos e fontes digitais, entre outros temas e abordagens.

Contudo, quero destacar o que aconteceu no final do encontro, a fundação da Associação das Humanidades Digitais, em Língua Portuguesa. As discussões para a fundação da AHDig começaram ainda antes do seminário, reforçaram-se em reuniões na espectacularBiblioteca Brasiliana da USP e terminaram com o anúncio oficial no dia 25 de Outubro, juntamente com o lançamento do site http://ahdig.org/.

O objectivo é procurar estabelecer redes de investigadores, projectos e metodologias que cruzem Humanidades e Digital, em língua portuguesa ou sobre o espaço que fala português. Cada vez mais a perspectiva multilingue está a ser discutida e estimulada no seio da comunidade de praticantes das chamadas Humanidades Digitais, pelo que a criação desta rede pretende ser também um contributo para a afirmação internacional da investigação em português ou sobre o mundo que fala português.

Juntem-se a nós!

Inquérito sobre métodos de visualização de dados

As ferramentas e métodos de visualização de dados são hoje em dia um dos vectores mais dinâmicos das Humanidades Digitais. Importantes não só pela riqueza e beleza que podem conferir à apresentação final dos resultados de uma investigação (e quantas ideias não ficaram mal defendidas devido a um gráfico mal elaborado, por exemplo?!), estas técnicas são cada vez mais encaradas como fazendo parte da própria análise da informação que se está a investigar. Através de uma boa visualização podemo-nos aperceber de novos padrões sobre os dados, lançar novas hipóteses de trabalho, obter respostas que os dados “planos” não nos mostravam e, claro, abrilhantar as nossas apresentações.

No âmbito das actividades da NeDiMAH (Network for Digital Methods in the Arts and Humanities – http://www.nedimah.eu/) tive oportunidade de colaborar na elaboração de um questionário sobre “visualização” nas Digital Humanities. O objectivo é procurar perceber o impacto e importância destas ferramentas/metodologias nas actividades dos investigadores que de algum modo incorporam os métodos digitais nos seus estudos.

É um formulário simples e curto e seria muito interessante poder contar com os contributos e/ou na divulgação do mesmo por todos os interessados nesta matéria. Este é o endereço do questionário:https://www.surveymonkey.com/s/R3KNWG9. Desde já agradeço.

Mais uma “zoterice”!

Antes de ir de férias gostava de fazer alguma publicidade ao curso de bases de dados bibliográficas e Zotero que vou dar na Escola de Verão da FCSH, entre 2 a 4 de Setembro (http://verao.fcsh.unl.pt/Cursos/Bibliografias%20Zotero.html). Para os mais distraídos, o Zotero é um programa de gestão de informação bibliográfica, gratuito, feito por historiadores (é verdade!!!) e que permite gerir todas as nossas referências bibliográficas (e não só!) à medida que navegamos na Internet. Hoje em dia, uma parte substancial do nosso tempo de investigação é passado online, seja à procura de informação, seja a comunicar. O Zotero trabalha precisamente onde é mais necessário e depois permite gerir toda a informação para nos ajudar a executar tarefas sempre tão aborrecidas e morosas como as notas de rodapé num artigo ou tese, os estilos de citação bibliográfica e a elaboração de bibliografias. Ao Zotero, neste curso, junto um conjunto de dicas de exploração de recursos bibliográficos online, como sejam as grandes bibliotecas nacionais e estrangeiras, as bases de dados de revistas científicas, motores de pesquisa especializados para as áreas académicas, entre outros. Para mais informação podem consultar a página do curso:http://verao.fcsh.unl.pt/Cursos/Bibliografias%20Zotero.html Boas férias!

Humanidades Digitais e trabalho colaborativo

Declaração de interesses: esta entrada no blogue, não o sendo formalmente, é também assinada pela Ana Isabel Queiroz, colega que idealizou e coordena o projecto de que vou falar aqui: LITESCAPE.PT. Ela e a Cristina Joanaz dinamizam a linha de investigação em História do Ambiente do IHC, para a qual o texto e mapas seguintes pretendem ser apenas um pequeno contributo da minha parte.

Continue reading